Pular para o conteúdo principal

Aécio diz que o 'natural' é PSDB apoiar Delgado e Luiz Henrique


O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), reafirmou nesta sexta-feira (30) o apoio do partido ao deputado Júlio Delgado (PSB-MG) na disputa pela presidência da Câmara e ao senador Luiz Henrique (PMDB-SC) na corrida pelo comando ao Senado. As eleições nas duas Casas serão no domingo (1º), quando tomam posse os parlamentares eleitos para a legislatura que começa este ano.

"O caminho natural do PSDB é fortalecer a candidatura do deputado Júlio Delgado, que é a candidatura que, ao meu ver apresenta, as melhores condições de garantir a independência fundamental que a Câmara dos Deputados não teve nos últimos anos. No Senado não é diferente, a candidatura do senador Luiz Henrique atende a essa mesma aspiração", disse o tucano, que participou de uma reunião de parlamentares do PSDB em um hotel de Brasília.

Delgado disputa com Arlindo Chinaglia (PT-SP), o candidato apoiado pelo governo, e com Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que tem dito que, se eleito, não faria um mandato de oposição nem de submissão ao governo de Dilma Rousseff. Também já anunciou que vai disputar a presidência da Câmara o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

No Senado, Luiz Henrique é visto como uma alternativa ao atual presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), que deve se candidatar à reeleição.

Para Aécio, as candidaturas que o PSDB defende evitarão que o Legislativo seja "acuado, submisso e, principalmente, submetido às vontades e orientações do Palácio do Planalto".

As negociações dos partidos em torno das eleições da Câmara e do Senado têm sido intensas nos últimos dias. Na Câmara, Delgado é o único candidato que se apresenta como de oposição. No entanto, parlamentares insatisfeitos com o governo têm conversado com Cunha, que desde o ano passado comanda um bloco informal de parlamentares insatisfeitos com o governo de Dilma Rousseff.

Aécio fez questão de ressaltar que o PSDB votará "em sua integralidade" em Delgado e que, aqueles que apostam em apoio de deputados do partido a outros candidatos irão "se frustrar".

O PSDB desde o final do ano passado assumiu um compromisso com a candidatura de Júlio Delgado, e o PSDB agirá como partido político. O PSDB não permitirá computações individuais, e qualquer um candidato que acha que poderá se fazer irá se frustrar. O PSDB votará em Júlio Delgado na sua integralidade, é o que eu espero", concluiu.

'Falência' do governo
Aécio, que disputou o segundo turno da eleição presidencial de 2014, fez críticas à gestão da presidente Dilma Rousseff e disse que o país assiste à "falência do governo". Ele deu a declaração quando comentava dados recentes das contas públicas e as denúncias de corrupção na Petrobras.

"Nós estamos assistindo no dia-a-dia o atestado absoluto de falência do governo. Esse governo que não tem sequer hombridade e dignidade de reconhecer os seus erros, que não se julga no dever de explicar para a população brasileira que o Brasil de hoje é diferente do Brasil cantado em verso e prosa na campanha eleitoral há poucos meses", disse.

Em seguida, o tucano voltou ao tema das eleições e disse que situações que o PSDB denunciava durante as eleições agora podem ser vistas de forma "cristalina" pela população.

"Infelizmente hoje o que o Brasil está provando é o veneno de um governo que agiu irresponsavelmente ao longo de todos os anos. Tudo o que nós denunciamos ao longo da campanha eleitoral hoje aparece para a população brasileira de forma absolutamente cristalina, seja em relação aos dados da economia, seja em relação aos dados fiscais do governo e seja em relação à corrupção da Petrobras", afirmou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entenda o que é o título Persona non grata

Diante dos votos contrários dos vereadores oposicionistas de Pau dos Ferros de não aprovar o título de "persona non grata" ao professor que criticou a cidade de Pau dos Ferros (veja aqui), venho esclarecer aos cidadãos e web-leitores o que significa esse título.
Persona non grata (Latim, no plural: personae non gratae), cujo significado literal é "pessoa não bem-vinda", é um termo utilizado em diplomacia com um significado especializado e judicialmente definido.
Sob a Convenção de Viena sobre as Relações Diplomáticas, artigo 9, um Estado pode declarar "em qualquer altura e sem necessidade de justificação" qualquer membro dos emissários diplomatas como persona non grata — i.e., não aceite (enquanto que persona grata significaria aceitável) — mesmo previamente à sua chegada ao Estado em questão. Geralmente, a pessoa é recambiada para a sua nação de origem. Caso isso não aconteça, o Estado "poderá recusar-se a reconhecer a pessoa como membro da missão&…

TSE começa a julgar nesta terça ação que pede cassação da chapa Dilma-Temer

Os sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começam a julgar na manhã desta terça-feira (4), a partir das 9h, a ação que pede a cassação da chapa montada, em 2014, por Dilma Rousseff e Michel Temer para disputar a reeleição ao Palácio do Planalto. A análise do caso no plenário da Corte eleitoral ocorre dois anos e cinco meses depois da vitória de Dilma e Temer nas urnas.
Se ao final do julgamento a chapa for condenada, Temer pode ser afastado da Presidência e Dilma poderá ficar inelegível por oito anos. Apesar de a petista ter sido destituída do comando do país no ano passado por um processo de impeachment, os senadores mantiveram os direitos políticos dela.
Se Dilma for considerada culpada pelos supostos abusos na campanha de 2014, ela poderá, desta vez, ficar impedida de ocupar cargos públicos e disputar eleições.
A possibilidade de uma nova reviravolta na chefia do Palácio do Planalto vai atrair, nos próximos dias, as atenções do país para a sede do Tribunal Superior Eleito…

Temer decide recriar Ministério da Cultura

O ministro da Educação, Mendonça Filho, informou neste sábado (21) que o presidente em exercício Michel Temer decidiu recriar o Ministério da Cultura (Minc).
O novo ministro será Marcelo Calero, anunciado na última quarta (18) como secretário nacional de Cultura. Ele deve tomar posse na terça-feira (25).
Com a decisão, a Cultura deixa de ser uma secretaria e não ficará mais subordinada ao Ministério da Educação.
A decisão de fundir as pastas de Educação e Cultura foi tomada com base no princípio adotado por Michel Temer ao assumir de reduzir o número de ministérios.
Diante dos protestos de parte dos artistas e de servidores do Ministério da Cultura, Temer já havia anunciado que, mesmo como secretaria, a estrutura da pasta seria mantida.
Nesta sexta-feira (20), edição extra do "Diário Oficial da União" publicou medida que dava status de "natureza especial" ao cargo de secretário da Cultura.
Agora, depois de ouvir artistas e representantes do setor, o presidente em exercíc…