Pular para o conteúdo principal

Levy enaltece a fase FHC no discurso de posse


O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, atribuiu ao trabalho de Fernando Henrique Cardoso, como auxiliar do presidente Itamar Franco e, depois, como sucessor dele no Planalto, o sucesso da administração Lula na distribuição de renda e no enfrentamento da crise financeira internacional de 2008. Em seu discurso de posse, Levy comparou o ajuste a ser feito neste início do segundo quadriênio de Dilma Rousseff ao esforço realizado na fase que antecedeu o lançamento do Plano Real, ainda sob Itamar.

Sem mencionar nomes, Levy disse o seguinte: “O reequilíbrio fiscal de 2015 e o cumprimento das metas em 2016 e 2017, como previsto na LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias] recém-aprovada, serão o fundamento de um novo ciclo de crescimento, assim como o ajuste nos gastos que antecedeu o Plano Real [gestão Itamar] foi talvez o menos falado, mas não menos importante fator do sucesso da estabilização monetária [governo FHC], que perdura até hoje, sob a eficaz vigilância do Banco Central do Brasil.”

Levy prosseguiu: “Assim também como a responsabilidade fiscal exercitada na primeira metade da década dos anos 2000 [gestões FHC e Lula] foi condição indispensável para o Brasil ter sucesso na política de inclusão social de milhões de brasileiros [administração Lula] e, pela primeira vez em sua história, poder conduzir uma política anticíclica eficaz, como fez em seguida à crise global de 2008 [governo Lula], em sintonia com o G20.”

Levy não disse senão um amontoado de obviedades. Mas o óbvio nunca foi tão necessário como na Brasília dos dias que correm. Hoje, com a vista embaçada por um tipo de vapor que só o embate político é capaz de produzir, os principais atores da Capital tropeçam no óbvio e, sem pedir desculpas, passam adiante. Não conseguem perceber que o óbvio é o óbvio. Assim, Levy fez muito bem ao proclamar o óbvio em seu discurso inaugural. Foi como se dissesse: “Eis o óbvio: o que nos trouxe até aqui foi um processo que atravessou vários governos. Para avançar, o primeiro passo é parar de ofender os fatos.”

Por falta de matéria-prima, o novo titular da Fazenda não teve como incluir o primeiro reinado de Dilma no trecho do discurso reservado às (poucas) referências positivas. Levy deixou tão claro quanto possível que chega para corrigir os erros cometidos nos últimos quatro anos. Sem eliminar direitos ou extinguir programas sociais, como exige a chefe, o Orçamento será lipoaspirado. Haverá ajustes de impostos. Cessarão os benefícios tributários. Os preços serão realinhados, eufemismo para aumentados. Em duas palavras: “A economia se transformará”.

Parafraseando Lula, a quem serviu como Secretário do Tesouro Nacional, Levy declarou na fase final do seu discurso: “Talvez nunca antes na nossa história, em períodos democráticos, houvéssemos tido a maturidade, como país, de fazer correções bem antes que uma crise econômica se instalasse.” Dito de outro modo: ainda há tempo para evitar o pior.

Nas palavras de Levy, “a economia brasileira tem bons fundamentos”. Ele arregaçou as mangas: “Estamos, sim, dispostos a implantar as medidas necessárias.” Mas avisou: “Sem a ingenuidade das soluções fáceis.” Pareceu animado: “Vamos trabalhar com afinco na busca dos caminhos que permitam ao Brasil prosseguir na rota do crescimento econômico.” Porém, como quem manda um recado para o alto, disse que o mais importante é “ter persistência para trilhá-los depois que os acharmos.”

A prioridade do governo é restabelecer a confiança de investidores nacionais e estrangeiros. E das agências de classificação de risco, que ameaçam rebaixar a nota do Brasil. Considerando-se que, nesse universo, Dilma virou o outro nome de desconfiança, não resta muita alternativa à presidente além de confiar num ministro que votou no seu adversário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Entenda o que é o título Persona non grata

Diante dos votos contrários dos vereadores oposicionistas de Pau dos Ferros de não aprovar o título de "persona non grata" ao professor que criticou a cidade de Pau dos Ferros (veja aqui), venho esclarecer aos cidadãos e web-leitores o que significa esse título.
Persona non grata (Latim, no plural: personae non gratae), cujo significado literal é "pessoa não bem-vinda", é um termo utilizado em diplomacia com um significado especializado e judicialmente definido.
Sob a Convenção de Viena sobre as Relações Diplomáticas, artigo 9, um Estado pode declarar "em qualquer altura e sem necessidade de justificação" qualquer membro dos emissários diplomatas como persona non grata — i.e., não aceite (enquanto que persona grata significaria aceitável) — mesmo previamente à sua chegada ao Estado em questão. Geralmente, a pessoa é recambiada para a sua nação de origem. Caso isso não aconteça, o Estado "poderá recusar-se a reconhecer a pessoa como membro da missão&…

TSE começa a julgar nesta terça ação que pede cassação da chapa Dilma-Temer

Os sete ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começam a julgar na manhã desta terça-feira (4), a partir das 9h, a ação que pede a cassação da chapa montada, em 2014, por Dilma Rousseff e Michel Temer para disputar a reeleição ao Palácio do Planalto. A análise do caso no plenário da Corte eleitoral ocorre dois anos e cinco meses depois da vitória de Dilma e Temer nas urnas.
Se ao final do julgamento a chapa for condenada, Temer pode ser afastado da Presidência e Dilma poderá ficar inelegível por oito anos. Apesar de a petista ter sido destituída do comando do país no ano passado por um processo de impeachment, os senadores mantiveram os direitos políticos dela.
Se Dilma for considerada culpada pelos supostos abusos na campanha de 2014, ela poderá, desta vez, ficar impedida de ocupar cargos públicos e disputar eleições.
A possibilidade de uma nova reviravolta na chefia do Palácio do Planalto vai atrair, nos próximos dias, as atenções do país para a sede do Tribunal Superior Eleito…

Temer decide recriar Ministério da Cultura

O ministro da Educação, Mendonça Filho, informou neste sábado (21) que o presidente em exercício Michel Temer decidiu recriar o Ministério da Cultura (Minc).
O novo ministro será Marcelo Calero, anunciado na última quarta (18) como secretário nacional de Cultura. Ele deve tomar posse na terça-feira (25).
Com a decisão, a Cultura deixa de ser uma secretaria e não ficará mais subordinada ao Ministério da Educação.
A decisão de fundir as pastas de Educação e Cultura foi tomada com base no princípio adotado por Michel Temer ao assumir de reduzir o número de ministérios.
Diante dos protestos de parte dos artistas e de servidores do Ministério da Cultura, Temer já havia anunciado que, mesmo como secretaria, a estrutura da pasta seria mantida.
Nesta sexta-feira (20), edição extra do "Diário Oficial da União" publicou medida que dava status de "natureza especial" ao cargo de secretário da Cultura.
Agora, depois de ouvir artistas e representantes do setor, o presidente em exercíc…